Sábado, 3 de Dezembro de 2011

Se vogliamo che tutto rimanga come è, bisogna che tutto cambi*

1. «O Governo conta com as freguesias e conta com todos os presidentes de junta de freguesia» – Miguel Relvas, no Congresso Nacional das Freguesias.
Esta conversa é típica das empresas em situação de pré-falência. A administração reúne-se com os trabalhadores, diz que conta com todos, sem excepção, e passado pouco tempo começa a despedir pessoal. Quando, ainda por cima, estas palavras saem da boca de um desbocado como este ministro, autêntica picareta falante, está-se mesmo a ver o que valem...
2. Dito isto, concordo que o número de freguesias deve diminuir substancialmente, porque não é aceitável que nalgumas, de tão pequenas que são, grande parte do dinheiro seja para pagar senhas de presença.
Agora, não basta reduzir o número de juntas de freguesia. É preciso fazer o mesmo com muitas câmaras, que também não têm dimensão e também gastam muito dinheiro em senhas de presença, automóveis e empregos para amigos. Sejamos «capazes de mudar» o que importa e que «não fomos capazes de mudar no tempo certo», em vez de nos limitarmos a fazer operações de cosmética, em que só muda a aparência, para que o essencial fique na mesma.
3. Esta reforma da administração local «não preconiza um modelo adequado à realidade social portuguesa, não garante ganhos de eficácia e não respeita a vontade das populações».
As duas primeiras afirmações carecem, elas próprias, de confirmação. Na verdade, nada nos garante que sejam mudanças positivas, nem o contrário. Pela simples razão de que ainda não foram feitas. Não há que ter medo de fazer coisas, só porque se pode errar. Muito do conhecimento humano é feito de tentativa e erro. Quando se está mal, é melhor fazer alguma coisa do que deixar tudo na mesma. Ou não?
Quanto à «vontade das populações», é preciso ter alguma lata para as invocar, quando elas não se manifestam. Tenho visto muita gente protestar contra a introdução de portagens ou o fecho de centros de saúde, mas relativamente à eliminação de juntas de freguesia, nicles batatóides. Estes senhores autarcas barafustam, como barafustaram os governadores civis, porque são uns tachitos que se vão perder. Quanto às populações, o que elas estão é fartas de alimentar tanta gente que não quer trabalhar, o resto é conversa.

* «Se quisermos que as coisas permaneçam como estão, tudo deve mudar» – frase célebre do romance de Giuseppe Tomasi di Lampedusa «Il gattopardo» («O leopardo»).
publicado por Mário Pereira às 22:27
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Contador

.Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. A culpa é dos pilotos. E ...

. Há poucos médicos. Porque...

. Vão trabalhar, malandros!

. Apetecia-me atirar o Maga...

. Nasci refugiado

. A triste natureza humana

. Estamos entregues às mafi...

. Aprender ou não a lição, ...

. Cristiano, Bento e Jardim...

. (Des)humanidades...

.arquivos

. Maio 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds