Sábado, 29 de Dezembro de 2012

A barbárie em pleno século XXI

Morreu jovem indiana vítima de violação em grupo

«Está pois a pena de morte abolida nesse nobre Portugal, pequeno povo que tem uma grande história. (...) Felicito a vossa nação. Portugal dá o exemplo à Europa. Desfrutai de antemão essa imensa glória. A Europa imitará Portugal. Morte à morte! Guerra à guerra! Viva a vida! Ódio ao ódio. A liberdade é uma cidade imensa da qual todos somos concidadãos»

— Victor Hugo, 1876, a propósito da abolição da pena de morte em Portugal (o primeiro país europeu a fazê-lo)


Apesar da minha enorme admiração pelo grande escritor francês, e de eu próprio achar que a pena de morte não é uma coisa digna de países civilizados, confesso que não me sentiria nada incomodado se aqueles "animais" fossem condenados à morte, o que, aliás, pode bem acontecer.

Até porque a Índia, em matéria de direitos das mulheres, não é propriamente um país civilizado. Senão, vejamos:

- Em consequência dos abortos selectivos, comuns naquele país, há 37 milhões de homens a mais do que mulheres, havendo casos de mulheres que são forçadas a abortar cinco ou seis vezes até que fiquem grávidas de um macho;

- Consequentemente, os jovens adultos já têm dificuldades em encontrar mulheres para casar, o que provoca o tráfico de meninas de zonas pobres, que acabam como escravas sexuais;

- Em cada 20 minutos é violada uma mulher, mas apenas um em cada quatro dos culpados é condenado, devido à enorme corrupção da polícia;

- 44% das mulheres entrevistadas para um estudo revelaram já terem sido espancadas pelos maridos e 49% consideram isso normal;

- Sempre que as mulheres reclamam alguns direitos, os homens respondem com violência;

- Muitas mulheres contraem sida com os maridos, com quem muitas vezes foram forçadas a casar-se. Ainda por cima, os homens reagem à notícia rejeitando-as e fornicando com garotas, porque acreditam que desta forma se curarão da sida...

Perante este cenário, a pena de morte até nem parece uma coisa assim tão bárbara, pois não, Victor Hugo?


publicado por Mário Pereira às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 14 de Dezembro de 2012

O valor das imagens

Vejo na TV dezenas de putos palestinianos a atirarem pedras aos militares israelitas, os quais por sua vez ripostam com tiros certeiros das suas moderníssimas e mortíferas armas, e não consigo evitar que me venham à cabeça dois pensamentos:

1. Há, muito mais do que cerca de quatro mil quilómetros, um mundo - quê?, uma galáxia, um universo! - a separar aqueles jovens dos nossos. 

Talvez eles sejam exagerados, pode ser que estejam errados, se calhar são manipulados e até fanatizados, mas certamente ninguém dirá que são comodistas, nem materialistas, nem egoístas e, muito menos, que são cobardes...

2. Num conflito que dura desde a criação do estado de Israel, há quase 65 anos, e cuja solução parece não existir, aquelas imagens ajudam-me - e de que maneira! - a decidir sobre qual das duas partes terá mais razão.

publicado por Mário Pereira às 15:29
link do post | comentar | favorito
|

Boa malha, Pedro!

Cito de cor:

"Os portugueses são governados por meia dúzia de bastardos estrangeiros, que vêm para aqui dar entrevistas e ditar leis, como se fossem donos do país"

Pedro Abrunhosa, TVI 24, hoje

publicado por Mário Pereira às 15:25
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

Diz-me como tratas os teus velhos, dir-te-ei quem és...

Os noticiários voltaram nestes dias a chamar-nos a atenção para a vergonha nacional que são os lares de terceira idade sem condições - só este ano, a Segurança Social já fechou mais de setenta. Numa das reportagens, os utentes eram sujeitos a toda a espécie de patifarias, como ser molhados com uma mangueira no quintal, comer um pão a meias(!), ficar amontoados numa cave durante o dia e ter que subir à noite dois andares para ir para os quartos, sob pena de ter que ficar cá em baixo num sofá... Muitos queixaram-se com fome, frio, falta de higiene ou medicamentos trocados. Tudo condimentado com maus tratos q.b., nalguns casos, mesmo, agressões físicas.

Algumas pessoas, que já o terão tentado fazer, afirmam que a forma mais rápida de fechar um lar sem condições é denunciar a situação a uma televisão, pois quando se dirigiram ao tribunal ou à segurança social estas instituições nada fizeram.

Esta questão dos velhos está a transformar-se, mais do que num problema, numa verdadeira tragédia.

Senão, vejamos: a população está cada vez mais envelhecida, uma vez que as pessoas vivem mais tempo e a natalidade baixou muito.

O Estado, que tem a obrigação de garantir condições dignas de vida a todos os seus cidadãos - ou já não terá?... -, especialmente aos mais desprotegidos, pouco ou nada tem feito por eles. 

As pessoas não podem - e também não querem... - tomar conta dos seus velhos. Gostamos muito dos nossos pais - especialmente enquanto eles nos podem ajudar - mas, a partir do momento em que deixam de ser auto-suficientes, é certo e sabido que os pomos num lar.

A sociedade actual - consumista, materialista, imediatista, egoísta e outras palavras acabadas em ista - aprecia mais a imagem do que o conteúdo. Gosta da beleza, da juventude, da alegria... E não da velhice, da doença, da tristeza... Numa palavra, da morte, a que, inevitavelmente, todos estamos condenados desde o momento em que nascemos.

Por isso tendemos a afastar de nós os velhos, colocando-os em lares e indo lá de vez em quando vê-los, em visita de médico. Ou nem isso... E assim, com eles longe dos nossos olhos, a ideia do envelhecimento, da doença e da morte torna-se mais suportável. 

Tudo isto é triste. 

Especialmente porque se o envelhecimento, a doença e a morte são inevitáveis - a alternativa é morrer novo... -, o mesmo não se pode dizer dos autênticos depósitos de velhos em que, na maioria das vezes sem um mínimo de dignidade, colocamos os nossos velhos.

E a verdade é que há alternativas aos lares. Especialmente aos mais de 3 mil lares clandestinos que continuam a funcionar no nosso país. Por serem mais baratos, as pessoas procuram-nos, porque não têm dinheiro para mais, ou porque, tendo-o, não o querem gastar. Essas pessoas acabam por ser, de alguma forma, cúmplices desta miséria. Porque conhecem as más condições desses lares, ou porque não querem conhecer.

Algumas dessas alternativas são, por exemplo: apoio domiciliário, centros de dia e/ou de noite, edifícios em que as pessoas podem viver no seu próprio apartamento, fazendo as refeições em refeitórios... 

Seria, até, uma boa maneira de dar trabalho aos quase novecentos mil desempregados que - oficialmente - Portugal tem.

Mas é claro que, se não o fizemos em tempo de vagas gordas, dificilmente o faremos agora, afogados como estamos pela crise financeira e pelas teorias - e, principalmente, pelas práticas! - neoliberais.

Esperemos então por melhores dias.

Entretanto, os nossos velhotes que se aguentem.

Se isso lhes servir de consolo, também nós seremos velhos um dia...

 

PS - Um exemplo de uma alternativa "à portuguesa": 

Pelo menos 1200 idosos morreram em Lisboa, no ano de 2011, sem assistência médica. 

publicado por Mário Pereira às 21:16
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 4 de Dezembro de 2012

1. A culpa é dos jornalistas

2. A culpa é sempre dos jornalistas.

 

3. Quando a culpa não é dos jornalistas, aplica-se o número um.

 

"Se soubéssemos quantas e quantas vezes as nossas palavras são mal interpretadas, haveria muito mais silêncio neste mundo."

Oscar Wilde

 

O ministro das Finanças garante que os jornalistas interpretaram mal as palavras do primeiro-ministro e do presidente do Eurogrupo. O problema é que também o próprio Vítor Gaspar disse sem margem para dúvida que Portugal iria beneficiar das mesmas medidas da Grécia.

 

«Interpretaram mal o que disse! O melhor é o Ronaldo»

 

Carlos Abreu Amorim diz que Passos Coelho foi mal interpretado ao sugerir a emigração como caminho para os professores desempregados

 

Interpretaram mal as palavras do presidente António Salvador

 

Declarações da ministra das finanças finlandesa sobre uma eventual saída da Finlândia da zona euro foram mal interpretadas

 

Isabel Jonet diz que foi mal interpretada

 

Imprensa interpretou mal declarações de embaixador russo, diz MNE da Rússia

 

Morais Sarmento diz que foi mal interpretado na comparação entre Rangel e Vital

 

Obama interpretou mal as palavras de Raul Castro

 

Joaquín Almunia diz que foi mal interpretado quando falou do estímulo à competitividade não ser feito à custa do corte dos salários

 

El País: Portugal interpretou mal sentença de Bruxelas

 

Fidel Castro diz ter sido mal interpretado

 

MAI diz que foi mal interpretado com a fábula da cigarra e da formiga

 

Cavaco diz ter sido mal interpretado e que sabe "muito bem" o que fazer

 

Capitão América mal interpretado!

 

Presidente do TC diz que acórdão sobre cortes dos subsídios foi mal interpretado

 

FMI: Christine Lagarde diz-se mal interpretada

 

"Já não falo sobre a TAP para não ser mal interpretado"

 

Director de cirurgia diz que foi mal interpretado

 

Deputado Ricardo Gonçalves diz ter sido mal interpretado

 

Vítor Gaspar diz que foi mal interpretado sobre o facto de Portugal vir a obter condições semelhantes às da Grécia

 

Presidente da UE diz que foi mal interpretado quando falou da sobrevivência da Zona Euro

 

Presidente do Parlamento Europeu afirma que foi mal interpretado pela imprensa portuguesa

publicado por Mário Pereira às 21:07
link do post | comentar | favorito
|

Memória selectiva

José Sócrates não se recorda das cadeiras que fez na Universidade Independente (UNI) para concluir a licenciatura em Engenharia Civil, nem se lembra do trabalho final que terá realizado para concluir a disciplina de Projecto e Dissertação.


O estudante estrangeiro acusado de agredir brutalmente um homem de 60 anos, que acabou por morrer dias depois, alegou hoje, no Tribunal de Braga, não se lembrar de nada, justificando este "apagão" com o excesso de bebida.


Fidel Castro não se lembra "sequer do que é uma dor de cabeça"


Crato paga 61 mil euros por parecer jurídico, mas não se lembra!


Deu-lhe um "apagão" e não se recorda como esfaqueou a mulher 37 vezes


Deputado "voador" Ricardo Almeida disse não se lembrar de ter sido autuado tantas vezes


Quem não se recorda deste anúncio ao Citroën Dyane?


Miguel Relvas: “Sobre este caso em particular não tenho ideia de ter recebido qualquer tipo de informação particular"


O homem que não se lembra de nada - Mixordia de Tematicas [09-07-2012]


Vara diz não se lembrar de ter enviado SMS a Sócrates sobre saída de Moura Guedes


Esta «gordura« não se lembra passos de cortar :associação de ex deputados custa ao povo 40 mil euros


Miguel Beleza não se recorda dos motivos do encontro entre Dias Loureiro e António Marta


Soldado americano "não se lembra" de matar 16 civis afegãos

 

Passos Coelho foi co-fundador da organização não-governamental Centro Português para a Cooperação, concebida para obter financiamentos destinados a projectos de cooperação que interessassem à empresa Tecnoforma. Entre os seus membros figuravam Marques Mendes, Ângelo Correia, Vasco Rato, Júlio Castro Caldas e outras destacadas figuras do PSD. Ângelo Correia e Marques Mendes não têm qualquer recordação da ONG, nem dos três projectos financiados pelo FSE. Passos era nessa altura deputado em regime de exclusividade e nunca declarou o cargo que ali exercia no seu registo de interesses.

"Não me recordo de não ter feito um registo específico sobre isso." 

Ver mais em: A ONG de Passos Coelho e os passos de outras ONGs

 

Galliano diz que não se lembra do que aconteceu

 

Castelo Branco «não se recorda» de orgias

 

Motorista de Mário Mendes não se lembra de nada

 

Mecânico acusado de matar pai e namorada diz que não se lembra dos crimes

 

Ex-governante não recorda com quem esteve da Freeport

 

Dias Loureiro diz não se lembrar de ter assinado documentos


Adepto que agrediu guarda-redes condenado a pena de prisão

 

Universitário não se lembra porque degolou a namorada

 

Cavaco admite ter preenchido ficha na PIDE mas não se lembra

 

Granadeiro não se lembra quem sugeriu Rui Pedro Soares para administrador

 

Cavaco Silva não se lembra!

 

"O mentiroso não se lembra das mentiras que profere."

publicado por Mário Pereira às 15:41
link do post | comentar | favorito
|

Ufa!

O ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, afirmou hoje que o avião ligeiro que foi perseguido domingo por dois caças F-16 da Força Aérea e depois desapareceu do radar não constituiu ameaça sobre o território português.

Confesso que fico mais descansado, perante esta garantia do ministro.

Pensava que vinha aí uma invasão de espanhóis, alemães ou, sei lá, de extraterrestres.

De qualquer forma, ainda que mal pergunte, porque é que a Força Aérea mandou dois (!) F16 perseguir a avioneta - para a Espanha um chegou... -, como é que aqueles dois Ferraris da aviação deixaram fugir um "carro de bois" e para é que serviram as "rigorosas buscas" efectuadas pela GNR?

Acresce que este caso apenas veio a lume porque os espanhóis nos alertaram, o que me leva a fazer mais uma pergunta: alguém por cá faz a mínima ideia de quantos casos haverá em Portugal de introdução de droga a partir de Marrocos, por via marítima ou aérea, ou anda tudo a dormir?

E, já que se fala de drogas, para quando uma lei que, à semelhança do que já acontece na Dinamarca - ou na Madeira... -, considere prejudiciais e, consequentemente, ilegais, todas as drogas, até prova em contrário?

Quantos jovens ainda têm que morrer para essas drogas "legais" deixarem de ser vendidas nas chamadas smartshops?

Não me digam que neste caso, à semelhança do enriquecimento ilícito, também há risco de "inversão do ónus da prova".

São pequenas coisas como estas que fazem a diferença entre um país decente e um paraíso para os patifes...

publicado por Mário Pereira às 14:07
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Contador

.Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. A culpa é dos pilotos. E ...

. Há poucos médicos. Porque...

. Vão trabalhar, malandros!

. Apetecia-me atirar o Maga...

. Nasci refugiado

. A triste natureza humana

. Estamos entregues às mafi...

. Aprender ou não a lição, ...

. Cristiano, Bento e Jardim...

. (Des)humanidades...

.arquivos

. Maio 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds