Quarta-feira, 24 de Outubro de 2012

Vem aí o assalto final...

O presidente do BPI - que este ano já deu mais de 100 milhões de lucro - não quer que seja posta em causa a constitucionalidade do Orçamento Geral do Estado, porque "não podemos estar sujeitos à ditadura do Tribunal Constitucional". 

Alguns empresários têm dito repetidamente, a propósito das greves que vão ocorrendo, nomeadamente nos transportes e nos portos, que, "sem querer pôr em causa o direito que as pessoas têm de as fazer", é necessário travá-las, porque "dão cabo do país".

Diversos banqueiros, empresários, políticos e comentadores têm alertado para a necessidade de alterar a Constituição, pois esta é "um travão" às "medidas de austeridade necessárias" para recolocar no "rumo certo" este país que "tem vivido acima das suas possibilidades".

O direito à greve, o Tribunal Constitucional e a própria Constituição surgem assim como as novas "forças de bloqueio".

O estado social, os direitos adquiridos, o direito à educação, à reforma, à protecção no desemprego e na doença, tudo isto e muito mais está em causa.

O Gasparzinho ataca as reformas, o subsídio de desemprego, as baixas e o RSI.

O próprio direito à alimentação está em causa, como se comprova pelo alarmante aumento de pessoas que têm que recorrer à sopa dos pobres.

Para grande alegria do primeiro-ministro, dos bancos e até, pasme-se, da Igreja, são aos milhares os portugueses que têm que sair do país para poderem trabalhar.

Aqui e ali, algumas pessoas vão ficando sem telefone, sem internet, sem televisão ou simplesmente sem electricidade, por falta de pagamento ou por causa dos repetidos furtos de cobre. Outras vezes, são as tampas dos esgotos e das sarjetas que são levadas, deixando as estradas com buracos extremamente perigosos para quem nelas circula. Assaltos a multibancos, são quase diários.

Ferreira Leite chegou a defender a suspensão da democracia como única forma de se conseguir equilibrar as contas. Na última vez que isso aconteceu, a "suspensão" durou, não seis meses, mas sim quarenta e oito longos anos.

Entretanto, o ex-secretário de Estado das obras públicas Paulo Campos, talvez amuado por ainda não ter conseguido um tachão numa empresa das PPP, queixou-se publicamente de ter que viver à custa dos papás, porque 3500 euros por mês não lhe chegam.

O próprio presidente da República também diz que dez mil euros por mês são insuficientes para as suas despesas, apesar de ter carro, cama, mesa e roupa lavada. As más línguas (credo!) dizem que gasta mais do que o rei "caça elefantes" de Espanha.

Que mais nos irá acontecer?...

publicado por Mário Pereira às 21:01
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Contador

.Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. A culpa é dos pilotos. E ...

. Há poucos médicos. Porque...

. Vão trabalhar, malandros!

. Apetecia-me atirar o Maga...

. Nasci refugiado

. A triste natureza humana

. Estamos entregues às mafi...

. Aprender ou não a lição, ...

. Cristiano, Bento e Jardim...

. (Des)humanidades...

.arquivos

. Maio 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds