Quarta-feira, 29 de Fevereiro de 2012

Viegas admite “aperfeiçoar” Acordo Ortográfico até 2015. Sintomático...

De facto (e não de fato, porque o c lê-se), é sintomático que, perante um acordo com mais de vinte anos, a única coisa que o secretário de Estado da Cultura diga é que ainda temos mais três anos para o "aperfeiçoar"...
De facto, o acordo é mau, porque foi feito a reboque dos brasileiros. Mas o problema não é a subalternização ao Brasil em si, embora isso não seja agradável, principalmente porque a Língua Portuguesa nasceu aqui e não lá. O verdadeiro problema é o facto de ninguém em Portugal sentir necessidade de alterar a ortografia. O argumento de que a nova ortografia torna mais fácil a aprendizagem para as criancinhas é ridículo. Que dizer então das criancinhas inglesas ou alemãs, por exemplo? 
Ao contrário do Brasil, em que as vogais são sempre pronunciadas como se fossem acentuadas (abertas), em Portugal as consoantes mudas servem, nalguns casos, para "acentuar" as vogais que as precedem. Pelo menos nestes casos elas deveriam manter-se. Por exemplo: "espectador" versus "espetador". Outra situação sem jeito nenhum: "acto" versus "ato". Outra: "Egito" versus "egípcio". Não faz sentido, a origem das duas palavras é a mesma. Depois, há outro tipo de questão: "expectativa" no Brasil leva c (porque se lê), enquanto em Portugal o c desaparece, por ser mudo. Além disso, a tendência, no futuro, é para o segundo e deixar de se ler como se fosse acentuado, passando a ler-se "espetativa", como na palavra "espetar". Bem basta a tendência que se vai impondo de alteração de pronúncias correctas por outras incorrectas "à moda de Lisboa". Exmplo: "actriz" (àtriz) passou a ser "âtriz". Actor (àtor), por enquanto, não. Já agora, para quando "àtora"? Outro exemplo: "ovelha" (uvelha), em Lisboa (e, gradualmente, no País) é "òvelha"...
Não chega já isto, juntamente com o facto de as pessoas cada vez falarem (e escreverem) pior, ainda precisávamos de metermos o Brasil na história? Confesso que, por muito carinho e amizade que sinta (e sinto) por aquele grande país, faz-me uma grande confusão ler textos ou ouvir brasileiros dizerem "nóis vamo sêmpri fàlá djifèrentchi, mais à pàrrtchir dji àgora vamo iscrèvê iguau. Não é pòssívèu vòutar àtrais. E vou tchi djizê, cara, você tem qui aguentá esse troço, porrqui êssi càminho não tem mais retorno não. O Bràsiu tem muità gêntchi, por isso ti djigo que vocês têm qui iscrèvê como nóis. Por exemplo, cêis têm qui pàssá à iscrèvê umidàdji, iguau à gêntchi. O àgá dji homem, por enquanto, não si tchirà. Mais dá mais um tempinho e você vai verr."
E quando Angola e Moçambique, que também têm muito mais falantes de Português do que nós, quiserem igualmente impor algumas alterações?
Parem enquanto é tempo!...
publicado por Mário Pereira às 13:14
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Contador

.Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. A culpa é dos pilotos. E ...

. Há poucos médicos. Porque...

. Vão trabalhar, malandros!

. Apetecia-me atirar o Maga...

. Nasci refugiado

. A triste natureza humana

. Estamos entregues às mafi...

. Aprender ou não a lição, ...

. Cristiano, Bento e Jardim...

. (Des)humanidades...

.arquivos

. Maio 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds