Sábado, 9 de Agosto de 2014

A triste natureza humana

Tenho observado com alguma tristeza e mesmo algum nojo que muitos dos jornalistas e comentadores que até há poucos dias endeusavam o Salgado, dizendo que era o único verdadeiro banqueiro do País e que o BES era seguríssimo e completamente distinto e imune às dificuldades do GES, dizem agora cobras e lagartos do homem, culpando-o por tudo o que de mau tem acontecido em Portugal.

Nada que me surpreenda, afinal fizeram exactamente o mesmo com o Sócrates. Bajularam-no enquanto o julgavam forte e bateram-lhe até mais não quando se tornou fraco e principalmente quando perdeu as eleições.

São estes os jornalistas, comentadores e “especialistas” que temos: péssimos a investigar, cobardes e bajuladores quando lidam com gente poderosa, valentes e cruéis quando essa gente cai em desgraça.

Infelizmente, são comportamentos típicos da natureza humana.

Esta história fez-me recordar outra, acontecida há 200 anos, que retrata a forma como um jornal parisiense noticiou a fuga de Napoleão da ilha de Elba e o seu fugaz regresso ao poder, que fui repescar aqui: e que, embora tendo ocorrido precisamente ao contrário, é bastante elucidativa da tal natureza humana e, especificamente, da comunicação social que tínhamos, que é mais ou menos igual à que temos.

"Os vinte dias de estrada de Napoleão, da costa sul a Paris, são um caso de estudo que merece chegar a hoje. O regresso de Napoleão Bonaparte foi ilustrado em letra de imprensa, de forma que deslustra a imprensa mas mostra o género humano em retrato nítido. O jornal parisiense Le Moniteur narra, passo a passo, o avanço de Napoleão. Os títulos sucessivos vou alinhá-los:

1) «O antropófago saiu do seu covil.»

2) «O ogre da Córsega acaba de desembarcar no golfo Juan.»

3) «O tigre chegou a Gap.»

4) «O monstro dormiu em Grenoble.»

5) «O tirano atravessou Lyon.»

6) «O usurpador foi visto a sessenta léguas da capital.»

7) «Bonaparte avança a passos largos, mas nunca entrará em Paris.»

8) «Napoleão estará amanhã nas nossas portas.»

9) «O imperador chegou a Fontainebleau.»

10) «Sua Majestade Imperial entrou ontem no Castelo das Tulherias, no meio dos seus súbditos fiéis.»"

publicado por Mário Pereira às 22:55
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Contador

.Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. A culpa é dos pilotos. E ...

. Há poucos médicos. Porque...

. Vão trabalhar, malandros!

. Apetecia-me atirar o Maga...

. Nasci refugiado

. A triste natureza humana

. Estamos entregues às mafi...

. Aprender ou não a lição, ...

. Cristiano, Bento e Jardim...

. (Des)humanidades...

.arquivos

. Maio 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds