Terça-feira, 6 de Maio de 2014

(Des)humanidades...

Vejo na televisão:

«Tribunal do Trabalho de Coimbra sem acessos para cidadãos portadores de deficiência».

Apesar de a legislação obrigar os edifícios de acesso ao público a terem acessos para pessoas em cadeiras de rodas, há tribunais, isto é, instituições que existem precisamente para fazer cumprir a lei, que não a cumprem.

Sinceramente, esta notícia não me surpreende. Nem é verdadeiramente uma notícia, no sentido em que misérias destas são o pão nosso de cada dia. E, se não se resolveram durante os anos dourados d'el-rei D. Betão, bem poderemos esperar sentados pela sua resolução, agora que estamos de novo reduzidos à nossa condição ancestral de pelintras, sem dinheiro nem crédito.

Mas houve nesta «velhícia» uma frase que me fez uns certos fornicoques: «cidadãos portadores de deficiência».

Fui à minha velhinha enciclopédia procurar o significado da palavra deficiente. E lá estava: «Em que há deficiência».

Pensei com os meus botões: «Coitada, 'tá velhinha, a Língua evoluiu e ela não acompanhou. Era expectável».

E recorri aos tira-teimas, sempre actualizados, Infopedia e Priberam, ambos online. Mau!, exactamente a mesma coisa.

Conclusão, a palavra «deficientes» poderia (e deveria) substituir a frase «cidadãos portadores de deficiência».

Decididamente, a raça humana é cheia de contradições. Não usa palavras como «deficiente» (cidadão portador de deficiência), «preto» (negro, indivíduo de cor, afro-qualquer coisa), «cigano» (indivíduo de etnia cigana), «índio» (americano nativo), «velho» (idoso, sénior, veterano...), «branco» (caucasiano...) e por aí fora moscas, para não ofender as minorias (!), mas não se importa de as tratar a pontapé, discriminando-as naquilo que verdadeiramente importa, que são as suas condições de vida e a sua dignidade.

Querem outro exemplo de contradições difíceis de explicar?

Há cerca de três semanas, o mundo ficou chocado com o rapto, numa escola cristã da Nigéria, de 276 meninas entre os 12 e os 18 anos, por parte do grupo terrorista islâmico Boko Haram. Algumas conseguiram escapar, mas julga-se que há ainda mais de 220 presas. Abubakar Shekau, chefe do Boko Haram, disse num vídeo aos pais: "Eu raptei as vossas filhas e vou vendê-las no mercado em nome de Alá. As que não forem vendidas serão nossas escravas."

No dia do rapto, o Boko Haram pôs uma bomba que matou 75 pessoas – mas disso já ninguém se lembra...

 

publicado por Mário Pereira às 11:30
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Contador

.Maio 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. (Des)humanidades...

.arquivos

. Maio 2015

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds